A fiscalização ambiental da Secretaria do Meio Ambiente (SMA) do Estado de São Paulo ganhou um reforço com a nova plataforma de imagens de monitoramento. Imagens de altíssima resolução, com informações bastante detalhadas, permitem identificar com precisão e rapidez o tipo de degradação da área, tornando possível barrar um crime ambiental ainda no início.

O projeto está em fase de estudos por técnicos do IMA e envolverá gerador, transportador e o destino final (Texto: assessoria de imprensa do governo)

Vá até o lixão ou aterro sanitário mais próximo da sua casa. Observe a quantidade de plásticos que estão ali e trazem a logo marca da reciclagem. Esses materiais não eram para estar na indústria, sendo reciclados? De fato, sim. Porém, por uma série de motivos, uma parcela significativa dos plásticos "recicláveis" no Brasil não chega até à indústria de transformação.

Em quase todo o evento do Brasil sobre resíduos sólidos urbanos (RSU) e sobre a Política Nacional de Resíduos Sólidos (PNRS 12305/10), especialistas em meio ambiente citam um termo com exaustão: “Gestão Compartilhada”. Prevista na PNRS, em tese, significa que todo mundo é responsável pela coleta e destino ambientalmente adequado do RSU. E embora, a PNRS traga alguns descritivos da função do consumidor, do setor empresarial e das prefeituras, “quase ninguém” sabe com precisão onde começa e onde termina cada função na recolha, transporte, tratamento e destino final de resíduos sólidos urbanos.