O ano de 2018 não foi favorável para as exportações de sucata ferrosa do Brasil. De acordo com as informações apresentadas pelo Departamento de Comércio Exterior os embarques do material caíram 60% se comparados com o volume registrado em 2017.

O fraco desempenho do Brasil acompanha o que está acontecendo em outras partes do mundo. O ano também não foi bom para as exportações de sucata ferrosa na Europa e nos Estados Unidos. Preços negociados e volume estiveram abaixo do registrado em 2017.

Pelo visto, o mundo ainda não se recuperou das fortes barreiras que a China impôs à entrada de sucata, aparas de plástico e papel em seu território. Desde o final de 2017, os chineses tem limitado a entrada destes materiais e, no final de agosto de 2018, a restrição ficou ainda maior. E um outro fato vem preocupando países como o Brasil: outros mercados asiáticos estão seguindo a mesma linha da China e restringindo a entrada de materiais como sucata e aparas.

Por ordem de volume, Bangladesh, Indonésia, Índia, Coréia do Sul, Espanha, Paquistão e a Holanda são os principais destinos da sucata ferrosa exportada pelo Brasil. Em 2018, Bangladesh cortou suas compras de sucata ferrosa do Brasil pela metade, enquanto que a Índia manteve quase o mesmo ritmo de compras de 2017. Já a Indonésia e a Coreia do Sul reduziram suas compras, respectivamente em 17% e 86% . Entre os 10 principais compradores, o Paquistão foi o único país que em 2018 aumentou suas compras de sucata ferrosa com o Brasil (alta de 425% - totalizando 34 mil toneladas compradas entre o período de janeiro a novembro de 2018).