Pesquisadores do Instituto de Materiais Críticos (CMI) e do Laboratório Ames nos Estados Unidos inventaram um processo de reciclagem que usa ímã dissolvido em soluções à base de água para recuperar elementos de terras raras com até 99% de pureza. A tecnologia pode acelerar a recuperação de terras raras de sucata eletrônica que hoje utiliza ácidos poluentes.


A tecnologia foi desenvolvida a partir dos resíduos industriais de três empresas que forneceram imãs e discos rígidos triturados. Os materiais empregados são os mesmos gerados diariamente pelas empresas parceiras do projeto.

"Estamos extremamente orgulhosos desse sucesso porque demonstra a eficácia do CMI para fornecer inovações que diminuem nossa dependência doméstica de materiais especiais importados", disse o diretor da CMI, Chris Haase. "Estamos ansiosos para alavancar a tecnologia, as habilidades e a rede de classe mundial da CMI para permitir implementações de tecnologia oportunas, lucrativas e ambientalmente responsáveis."

O processo foi desenvolvido pelos pesquisadores Ikenna Nlebedim e Denis Prodius, ambos do Laboratório Ames; e Anja-Verena Mudring da Universidade de Estocolmo. Eles receberam um prêmio de inovação tecnológica oferecido pelo governo americano.