A Associação Norte-Americana de Resíduos Sólidos (SWANA) aprovou por unanimidade uma nova forma das entidades e empresas em medir o progresso da reciclagem. A entidade resolveu tomar essa medida diante do bloqueio chinês que impede a entrada de resíduos recicláveis.


“Embora a medida histórica de reciclagem tenha sido baseada no peso, a SWANA está incentivando a avaliação contínua de diferentes métricas para obter uma visão holística e melhor do processo de reciclagem doméstico”, diz a nota da associação.

Segundo a entidade, após as leis chinesas entrarem em vigor, alguns materiais em alguns Estados estão temporariamente sendo descartados em aterros sanitários. Isso está levando muitos líderes do setor a analisar os requisitos e programas locais de reciclagem, inclusive a forma como os programas são medidos.

A proposta da entidade é que o peso dos materiais recuperados seja convertido em contribuições ambientais como a redução de gases do efeito estufa, redução do consumo de energia, menor impacto em ecossistemas, entre outros.

"A adoção dessa política representa a culminação de um processo colaborativo de quatro anos entre uma ampla gama de partes interessadas", disse Scott Pasternak, gerente sênior de projetos da Burns & McDonnell, que liderou os esforços para desenvolver a política como diretor de planejamento e gerenciamento da SWANA.

A ideia, por enquanto, é apenas uma proposta que será levada adiante para outras associações e o poder público americano, de qualquer forma, está mais que provado que o mercado de reciclagem americano não sobrevive sem a China.