A partir do dia 23 de agosto, quase toda e qualquer sucata americana que der entrada na China sofrerá um acréscimo médio de 25% de tarifa. A ação já vem sendo anunciada no mercado internacional há pelo menos um ano. A China é o principal mercado de destino das sucatas geradas nos EUA.


“O anúncio causou consternação entre os consumidores chineses de commodities de sucata dos EUA. Embora essas tarifas não sejam cobradas sobre as importações de outros países, é nosso entendimento que outras regiões podem não ser capazes de satisfazer toda a demanda da China”, disse em nota o Instituto das Indústrias de Reciclagem com sede em Washington.

A entidade lamenta que a disputa comercial entre os Estados Unidos e a China continue aumentando sem qualquer indicação de que os governos dos dois países negociem um acordo. Para o ISRI não resta nenhuma dúvida de que o aumento das tarifas de importação da China vão prejudicar a exportação (já bastante reduzida) de sucata pelos americanos.

Em 2017, os EUA exportaram um total de US $ 5,6 bilhões em commodities de sucata para a China. Nos primeiros seis meses de 2018, o total de exportações de sucata dos EUA para a China foi de US $ 2,2 bilhões, uma queda de 24% em relação ao mesmo período do ano passado. Diante da situação, fica a pergunta: Para onde irão parar milhões de toneladas de sucatas geradas e coletadas nos EUA? 

 

 

Os códigos tarifários das sucatas impactadas são os seguintes:

 

3915 Plásticos
4707 Paper
7204 Ferroso
7404 Cobre
7503 níquel
7602 Alumínio
7802 chumbo
7902 Zinco
8002 Estanho
8104 Outros metais comuns