O Instituto Norte-Americano de Indústrias de Reciclagem de Sucatas (ISRI) divulgou uma nota ao mercado lamentando as decisões da China que restringe a importação de produtos recicláveis. A nota faz uma estimativa do impacto que será sentido pela economia dos EUA.


Assinada pela presidente da entidade Robin Wiener, a nota revela que, num primeiro momento, as medidas da China impedirão a venda de 676 mil toneladas métricas, no valor de U$ 278 milhões em 2018; já em 2019, outras 85 mil toneladas métricas de sucata (num valor de U$ 117 milhões) deixarão de ser vendidas para a China. Embora não explicado na nota, mas as estimativas englobam vários tipos de materiais vendidos à China (metal, papel, plástico, etc).

"Embora prevíssemos que mais restrições à importação seriam anunciadas, continuamos preocupados com o efeito que essas políticas têm na cadeia de fornecimento global de commodities de sucata que economizam energia e promoverão um aumento no uso de materiais virgens na China, contrariando a intenção do governo chinês de proteger o meio ambiente”, declara Wiener na nota anunciada.

Até o final de 2018, estarão proibidas pela China as importações de escória de aço, plásticos pós-industriais, peças automotivas compactadas, pequenos motores elétricos, fios isolados e embarcações. E, até o final de 2019, entram na lista os aglomerados de madeira, sucata de aço inoxidável e sucata não ferrosa (estão de fora, por enquanto itens como sucata de alumínio e cobre).

Diante deste cenário, uma pergunta é inevitável: Se os EUA montou uma estrutura de reciclagem baseada em exportação, onde será que os americanos vão encontrar novos clientes? Outro fato que pode ou não estar ligado a tudo isso: Os EUA sempre tiveram uma participação irrisória nas importações de sucata pelo Brasil. Mas, em 2018, os americanos já desbancaram o sétimo e o sexto lugar de países exportadores de sucata de alumínio para o Brasil. Por enquanto, o maior exportador de sucata de alumínio para o Brasil é o México com remessas médias anuais de 20 mil toneladas.

Leia também: 

Outros países asiáticos seguem a China e dizem “Não” ao resíduo importado

Nine Dragons anuncia entrada ousada no mercado americano

Restrições da China forçam Califórnia mudar planos de reciclagem

- Taxação faz chineses avançarem sobre a indústria americana de reciclagem

- Depois de barrar aparas de plástico e papel, China se prepara para impedir sucata de alumínio estrangeira

- China não quer mais ser a “lixeira” do mundo